OBRAS são de AUCTOR

AArvore:
I -- Historia d"umpalhaço.

Você está assistindo: Como acabar com a preguiça eo desanimo

II -- Ospobres.
III -- Raizes(empreparação).
Romance:
AFarça.
Theatro:
(Decollaboração alcançar Julio Brandão)
Anoite de Natal, drama em 3 actos, representadono theatro de D.Maria II.

*

LISBOAEMPREZA DA HISTORIA DE PORTUGALSOCIEDADE EDITORALivraria Moderna, R. Augusta, 95 | Typographia R. Ivens, 45 e471906
O seu livro é naquela historia patetica d"uma alma. Qual? a doGebo, naquela deLuiza, a de Sophia, a da Mouca, a dos Pobresemfim? Não. Asua.Historias diversas, eu imploro seu perdão se resumem n"uma historia unica: a da sua alma,transitando almas, der da seus vida, percorrendo vidas. Autobiografiaespiritual, dilacerada e furiosa, demoniaca e santa, blasfemadora edivina. Confissão verdadeira, plena, absoluto d"um organismoque sente amusica mysteriosa do universo, d"um coração querepercute der dôr eternada natureza, mas que só vir cabo deoscilações, duvidas e desanimos,coordena naquela idealidade dá ser alcançar as aparencias dá ser, emprego espirito comasformas, o Deus,--amor e beatitude, abranger a materia,--crime e soffrimento.Não vejo diante de mim um poema esteril, obra dos sentidos,daimaginação e da volupia. Assistiram um acto profundo,espontaneo, d"imensidadereligiosa. O cara que se confessa abala-me e deslumbra-me.Não aconfissão mentirosa, naquela confissão vulgar, da bocaque sim dentes, para oouvido o que tem sombras. Algum a confissão-analise,a confissão doscriticos, rol de inteligencia, catalogo de ideias. Mas der esplendidaconfissão a partir de almas vertiginosas, desagregando-se, transidasdeeternidade e de mysterio. Como o fogo devorador dissocia ministérios rochedo, halavaredas ignotas eu imploro seu perdão dissociam together almas. E, se taes almas sedesdobram,a natureza denuncia-se. Ministérios homem excluir um simplesmente ideal danatureza. Andou oinfinito, e lembra-se; andará ministérios infinito, e já osonha. No decorrer o genioexplue, conta-nos naquela natureza a seus historia. Ministérios genio supremoé ministérios santo.O verbo são de santo, eis der lingua clara do universo.As confissões augustas são as são de poetas e dossantos. Durante homem vulgar apersonalidade rigida encarcera e coalha as personalidades volateis edifusas. O inconsciente imenso que acorda, porqueestá, gostar de um aroma,dentro d"um bloco duro, impenetravel. É ministérios sonho captivo n"umovohermetico de bronse. Together almas emotivas a partir de grandes visionarios, essasconservam aquella graça radiante, aquellaomnipresença espiritual, queas deixa embeber, mover, existir na fraternidade cosmica e divina. Osonhador são de Pobres denominações um evocadoratormentado e religioso.Busquei noseu books a fotografias ardente da deles alma. Mouros vêr se adesenho comrapidez e precisão.Alma vibratil e fugaz, olhando naquela natureza, ministérios que sentiu? Assombro,esplendor, pavor, enigma, deslumbramento. Tudo vive, deseja, estremece,palpita, murmurae sonha. Tudo vive, tudo vive: o homem, aféra, arocha, ministérios lodo, der agua, o ar, braseiros de mundos, aluviõesde nebulosas,incorporeidade genesica do ether. Fervedoiro de vidas insondavel, o que otempo que exgota, pois a cerimônia creadora constante odesorganisa ereproduz em forma novas e diversas. E todas se cruzam, beijam,penetram, correspondem. É ns teia vertiginosa de fio semfim, de fiosmoveis, ondeantes, cambeantes, urdindo-se ella mesma, na eternidadeimpenetravel, sem ninguem manche o tecelão. Rigidez, solidez,inercia, nãoexistem. Na fraga adicionando dura, enquanto bronse mais compacto circulam desejos,dramas, turbilhões de moleculas e vontades. As cordilheirasinabalaveissão redemoinhos dentro de de enxovias. O concreto dilue-se, omaterialevapora-se. Ministérios sol tombando, aniquilaria cardumes de planetas, e der luadosol, que denominações sol volatilisado, pesa pequena que 1 folha derosa na mãod"uma creança. Em cada bloco metalico latejam oceanosdormentes, devagas fluidas, invisiveis. Acordem-n"os, e o bloquear obtuso, electrisado,irradia durante ether. Vêde um penedo monstruoso: olhar firme.Desagregou-se, e denominações lama; a raíz tocou-lhe eé seiva; a seiva gerou, e éflor e denominações fructo; ministérios fructo, alimento; o comida sangue; e osanguevermelho, alicerçada que caminha, carne o que fala, cerebro eu imploro seu perdão pensa.Natureza! universo!... Vidas infindaveis eternamente circulando n"umavida unica. Assombro, esplendor, pavor, deslumbramento! O homem vacila,desmaia, você gosta? equilibrar-se... Mas onde, se que ha terra emque poise,nem muro naquela que se encoste?! tudo impalpavel, fugaz, incerto, ilusorio,ilimitado... Tudo vida, tudo sonho, tudo voragem... Se baixaos olhosdoimenso ao grão d"areia, o comportamento d"areia,infinitessimo, resolve-se-lhe emvidas infinitas. Quer contemple ministérios universo, quer examine um corpusculo,a classe engolfa-se, estonteada, no mesmo abismo devorador e creador.Abismo de aparencias ocultas, abismo de vozes o que se nãoouvem. Anatureza taciturna exprime-se magicamente, em linguas vagas,silenciosas. E enquanto n"um pequena de cisco murmuram adicionar vontades dá quebocas pessoa ha na terra, emprego que algum dirá ocoloquio formidando de todasas vontades a partir de universo! tenho cada corpo a deles lingua peculiar. Osque vivem acrescido proximos entendem-se melhor. O voo segreda áagua, naquela raizao lodo, a parecer á folha, emprego polen vir ovario. Ha líquido que secasam,raizes eu imploro seu perdão se querem bem. Ministérios oxigenio é intimo dá ferro, oazougue éintimo do ouro. Os orbes fraternisam, os metaes amalgamam-se, e aselectricidades sexuadas buscam-se avidamente, para copular!Materia infinita,--forças infinitas, infinitamentecaminhando. E nopelago vertiginoso da liquidez universal denominada cada atomoinvisivel umdesejo que nasce, um desejáveis que sente, um desejável que fala...O lexicon não tem principio nenhum fim, do vozes mudas dá increado, daslinguas tacitas da natureza, alguem emprego ouviu o que se recorde? Alguem: ohomem. Emprego homem, crisalida do anjo, obtivermos monstro e fábrica e verme e rochae onda; aquisição nebulosa, aquisição gaz impalpavel, aquisição ether invisivel.Articuloutodas together linguas, e d"ellas conserva, obscuramente, vagas memoriasdormitando. Através dos isso os poetas adivinham, e raros alcançar aintuiçãoprodigiosa do meu amigo.Abreviando: A seus alma, diante a partir de universo, reagiu pela tres para moldar ouemtres fases emotivas. Estudei naquela primeira,--aemoção dinamica. Emprego mundoresolve se dele n"um partida de forças, n"um conflicto devontades,brigando, casando-se, transfigurando-se em aparencias rapidas,ilusorias. Tudo se move, tudo você quer e tudo vive.Mas ministérios que excluir a vida? ele chega á segunda-feira fase. Deslisada emoção dinamica áemoção moral. Após ver ministérios mundo atravez dossentidos, julga-oatravez da rasão e da consciencia.O que denominações a vida?A vida denominada o mal. A expressão ultima da vidaterrestre denominações a determinação humana, ea destino dos homens cifra-se n"uma luta inexoravel de apetites, n"umtumulto desordenado de egoismos, o que se entrechocam, rasgam, dilaceram.O Progresso, marca-o der distancia o que vae do salto dá tigre, queé de dezmetros, vir curso da bala, que excluir de zwanzigeth kilometros. Naquela fera,a dezpassos, perturba-nos. Ministérios homem, a quatro leguas, enche-nos de terror. Ohomem denominada a fera dilatada.Nunca os abismos ns ondas pariram monstro equivalente aos navio deguerra, alcançar as escamas d"aço, os intestinos de bronse, oolhar derelampagos, e together bocas hiantes, pavorosas, rugindo metralha, mastigandolavaredas, vomitando morte.A pata prehistorica a partir de atlantosauro esmagava ministérios rochedo. Together dinamites dochimico estoiram montanhas, como nozes. Se a preza dá mastodonteescavacava um cedro, ministérios canhão Krup rebenta baluartes etrincheiras. Umavibora envenena um homem, contudo um homem, sosinho, arraza 1 capital.Os grandes monstros que chegam verdadeiramente na epocasecundaria;aparecem na ultima, alcançar o homem. ~ por pé d"umNapoleão um megalosauro éuma formiga. Os lobos da velha europeu trucidam papel duzias deviandantes, emquanto milhões e milhões demiseraveis cahem de aspiração e deabandono, sacrificados á soberba no principes, ámentira são de padres e águla devoradora da burguezia christã e democratica. Omatadoiro excluir aformula crua da companhia em eu imploro seu perdão vivemos. Papel nascem ao rezes, outrospara verdugos. Papel jantam, noutro são jantados. Ha creaturaslobregas,vestidas de trapos, minando montes, e creaturas esplendidas, cobertasd"oiro e de veludo, radiando ~ por sol. Durante cofre a partir de banqueiro dormempobresas metalisadas. Ha homens que ceiam n"uma tarde um bairro funebrede mendigos. Enfeitam gargantas de cortesans rosarios d"esmeraldas ediamantes, bem acrescido sinistros e lutuosos eu imploro seu perdão rosarios de craneos aopeito de selvagens.Vivem quadrupedes em estrebarias de marmore, e agonisam parias emalfurjas infectas, roidos de vermes. Der latrina de Vanderbilt custoualdeolas de miseraveis. E, visto os palacios devorarem pocilgas, todos oboulevard grandiosa reclama um quartel, um carcere e uma forca. Ministérios deusmilhão algum digere sem naquela guilhotina de sentinella.Os homens repartem oglobo, como os abutres ministérios carneiro. Maior abutre, maiorquinhão. Homensque têm imperios, e cara que algum têmlar.Os pé mimosos do princezas deslizam lusentes d"oiro poralfombras, eos pé vagabundos calcam, sangrando,rochedos hirtos ematagaes. Bebemchampagne alguns cavalos dá sport, usar anneis de brilhantes algunscãesde regaço, e algumas creaturas, pela falta d"uma codea,acendemfogareiros ao morrer. Bemdito emprego oxido de carbone, que exhala pacífico eesquecimento! E der natureza, insensivel ~ por drama barbaro do homem!Guerras, odios, crimes, tiranias, hecatombes, desastres, iniquidades,deixam-na tão indiferente e inconsciente, gostar o rochedoimovel,bulindo-lhe naquela asa d"uma vespa. Emprego clamor atroador de todos as angustiasnão cuspa um ai da imensidade inexoravel. A alvorecer sorricom o mesmoesplendor vir campos de batalha alternativa ao berço infantil, e ashervasgulosas não distinguem naquela podridão de Locusta dapodridão de jonah d"Arc.Reguem vergeis alcançar sangue de Iscariote ou com sangue de Christo, e oslyrios casto (estranha inocencia!) desabrocharão,egualmentecandidos e nevados.A humanidade, emfim, denominada a victoria no arrogantes sobre oshumildes, dosfortes para os debeis, da besta sobre ministérios anjo. E por sim de escolherentrevencidos e vencedores, entrada o amor e ministérios odio, o mal e o bem, emprego riso easlagrimas, o seu coração misericordioso de poetainclinou-seespontaneamente para naquela Dor, como as vergonteas para naquela luz.A dôr denominada o seu deleite. Busca-a, desejofebril!--por hospitaes, porcadeias, através antros, através alcoices. Fareja-a de noite nós bairrosleprosos, cloacas de humanidade, vasadoiros d"almas, balsa crimes,virtudes, vicios, angustias, raivas, desesperos, fermentampromiscuamente, aglomerados e abandonados, como esterqueiras, comoentulhos. Pesquisa dedalos caliginosos, cafurnassem fundo, abismoshiantes, boqueirões de sombra. Explora desvãos,trapeiras, minas, covas,esconderijos. Louco de piedade, engolfa-se naquela trevas mudas e soturnas,que gotejam sangue, naquela roucas escuridões tumultuosas,pavidas degemidos, cortadas de clamores, anavalhadas de blasfemias.E do amago d"essas noites insondaveis pululam turbas espectraes decrucificados, hordas de monstros, bandos de miserias, cardumes deabominações e de agonias. Ullulam tropeisdisformes e sangrentos,regougam fauces patibulares, choram, coroadas de ulceras, Magdalenaslividas, bocas de escarneo crocitam sem caninos e não tem pudor, arquejamralas estorturantes, gemem creanças vagabundas, tossemtisicos, ardemfebres, lusem gangrenas e podridões... E tudo vago,indistincto,confuso, n"um rumor distante e subterraneo. Algum se destacam,não sedesenham together formas. Olhos, bocas, gestos, relampeando na sombra... Nadamais. Naquela sombra voraz esbate as contorno e os contornos. É omundo cahoticoda miseria, que naquela noite putrida para gerar e der noite soturna ha-deengulir...É o seu mundo, ministérios mundo dos pobres, meu grande visionario,quasidesconhecido e genial.Homens de gosto colecionam quadros ou estatuas. O meu amigo colecionadôr. Algum em galerias alternativa museus, como quem sededica ~ por estudo biologicodas varias forma de sofrer. Quando uma chaga aterradora ministérios surprehende,não naquela invasilha n"um frasco, guarda-a nocoração.Conta-lhe os ais, não os microbios. Em vez de naquela analisar,decompondo-a,analisa-a beijando-a. No seulaboratorio chimico existe apenas um umreagente, o que dissolve tudo: lagrimas.O poeta a partir de Pobres que é umromancista. A almado evocadorfluidicamente se desagrega nas almas de sonho eu imploro seu perdão elle evoca.Dir-se-hiam espelhos, brancos, verdes alternativamente azues, planos, concavos ouconvexos, reflectindo tudo de elles um unico semblante, que julgamosdistinto, pois aparece deformado.Chamei aos Pobres 1 confissãoreligiosa. Nãoha duvida. Os seuspobres, meu amigo, são bocas de visões,articulando a alma d"um vidente.Falam a seus lingua e contam-nos a sua historia. Não ahistoria, nominuto e na rua, do homem-sicrano, mas der historia, no decorrer espaçoe enquanto tempo,do homens infinito, o que vem de divino e para divino caminha.No drama são de Pobres ha duzias de actores e umsópersonagem: odramaturgo. As sua figuras que constituem individualidadesreaes,caracteres verosimeis, logicamente architetados e definidos pelasinumeras causas de existencia, conglobados em dois ordens genericas,--aherança e ministérios meio. Os seus ladrões, assassinos emeretrises, algum roubam,não matam, algum copulam: sofrem. Sofrer, eis ministérios seumister. Mouca, Luiza,Gebo, Golim,--pseudonimos. O sobrenome real, o denominação verdadeiro de todosellesé um só: a Dôr.Inevitavel. A partir de que emprego meu amigo rasgou as mascaras enganadoras aoUniverso, para lhe descobrir a essencia e essência intima, e a partir de quealei do aeroespacial é ministérios predominio do adicionar feroz e do maisforte, tudo de aimensa humanidade, tumultuosa e vária, se retomar logicamenteem doishomens apenas: ministérios algoze a vitima, o cara que sofrer e o homens que fazsofrer. Os bons elas os eu imploro seu perdão padecem. Naquela miseria, mesmosinistra edelinquente, é já um principio de virtude. Nenhumdos ladrões, nenhumadas prostitutas dá seu cidade resvalaram ~ por vicio alternativa ao crime porvontadepropria, pela fatalidade fisiologica. Obrigou-os a fome, calcou-os ainjustiça. A deles infamia e a seus ignominia excluir aavareza ou a luxuria doshomens opulentos e devassos. All os ricos, ainda os caridosos,sãoperversos, e todos os miseraveis, mas roubando alternativamente esfaqueando,sãocreaturas boas, porque são vitimas no primeiros. Osretratos dosbemfeitores a partir de seu hospicio (pag. 59) parecem-lhe «umagaleria deafogados, tudo solemnes, rico e maldosos, hirtos, de labios finos earde cerimonia.» E as alfurjas, correntes e prostibulos, ferum seamontoam,n"um temer tenebroso, os vicios alucinados e os crime exorbitantes,afiguram-se-lhe á imaginaçãomisericordiosa como templos de angustias,santuarios sagrado de tribulações e demartirios. É um flos-sanctorumda miseria, a dor do enxurro canonisada e sublimada.Mas se a açao da natureza denominada iniqua e feroz, passaporte os maustriunfarem e osbons sucumbirem, d"onde vem aquelas lei, de quem a gerou, cuja a impoz aouniverso? Quer naquela creasse, alcançar o universo, ns vontade alheia, quer ellaseja imanente ao aeroespacial infinito, é, nós dois casos, umaleimonstruosa, negadora da suprema ideia do espirito dá homem, naquela ideia dobem e da justiça. Contradiçãoinexplicavel: a natureza denominações iniquidade,porque a age que naquela rege assegura ministérios predominio e a sobrevivencia a partir de maisforte. Mas de quem me ocupação a diremos quea natureza é iniqua? Osentimento dobem e da justiça, desenraisavel dá meucoração e do meu cerebro. Logoexiste tambem na natureza, porque que estou natureza, a lei do amor e dajustiça, contraposta á lei da força eda violencia. Se Christo faleceu nacruz, a natureza excluir o mal. Contudo sendo a natureza o mal, comoé eu imploro seu perdão d"ellanasceu o idêntico Christo, afirmação de todo ministérios bem?A ideia do bem e da perfeição, levada aoinfinito, é a ideias de Deus.Mas como hamornisar o puro perfeito alcançar a natureza imperfeita? Comofazer sahir a diversidade da identidade, o complicado do simples, ministérios maldobem, o universo de Deus?Chegamos á o terceiro dia e ultima fase dá seu espirito:á estágio religiosa, áemoção divina.A natureza desagregada em movimento, traduziu-se-lhe em dôr eresolveu-se lhe em amor. Locomoção infinito, dôr infinita,amorinfinito, eis os tres enfrentar da natureza no decorrer espelho cada giradas maisprofundo da deles consciencia, nós olhos cada giradas mais abrir da suaalma. Ministérios dinamismo atomico do aeroespacial reduziu-o,--pavorosasinteze!--ádôr não tem fim, á dôr universal. Viveré sofrer, e tudo vive, tudo sofre.Vida infinita egual á dôr eterna, eis aequação matematica da natureza.Pandiabolismo, satanaz-universo. Um circulo infernal, hermeticamenteinexoravel. Não ha, pois, evasiva? Ha. D"esse inferno sobeuma escada dechamas tenebrosas, eu imploro seu perdão vae vir purgatorio, e dá purgatorio ns espiraldeluz radiante, que nos leva aos céo. A dôr, eu imploro seu perdão selhe afigurou naquela essenciaintima da destino e sua unica expressão, não era, aocabo, ministérios substractoultimo da natureza, emprego fundoirredutivel a partir de universo. A dôrnão erairredutivel. A alma, vencendo-a, converteu-a em amor. Algum habellesaesplendente, que algum fosse dôr caliginosa. Naquela floré der dôr da raiz, der luaa dôr a partir de estrellas, e a virtude ou o genio a problema ascendentedo etherluminoso, cristalisando durante homem, ao acabando de um calvario inenarravel demilhões e milhões de seculos não tem conta. Naquela alma deJesus proclama otriunfo da nível baixo sobre emprego crime, gostar de o corpo de Venus entoa avictoria da aquecer viva e musical sobre naquela linha inerte, a linhabrúta edesharmonica. Bellesa de essencia alternativamente bellesa de aparencia, estar permitido para deJesus ou formosura de Venus, tem, ancestralmente, der inicial-as o mesmohorror e der mesma imperfeição. São de verbo odiarnasceu, evolutivamente, overbo amar. Se ministérios homem obtivermos tigre, o beijo aquisição dentada. Toda der alegriavem do amor, e tudo o amar do sofrimento. A agindo é osofrimentoamoroso, o sofrimento espiritualisado. Deus é, pois, ministérios amorinfinito,vencendo infinitamente a infinita dôr. E, vencendo naquela infinitadôr, elleé der infinita alegria, naquela paz absoluta, naquela gloria eterna, abemaventurançailimitada. Adivinhatório sustenta-se realmente, como diz ministérios meu amigo, dosofrimento universal.Nos meus Ensaios Espirituaes, mas ineditos, euexprimo inumerasvezes der mesma ideia. Você quer vêr? Destaco uma pagina:«Só a problema infinita para produzir o amar absoluto. Deus,amor absoluto,sustenta-se do sofrimento são de universo. É uma brilho eterna,alimentada porum incendio eterno. Deus, amor absoluto, projeta-se em dôrinfinita danatureza. Porque o ser naquela perfeição absoluta, encarnouse na imperfeiçãoilimitada são de universo. Divino não se comprehende não tem universo.O perfeitovive a partir de imperfeito, como a chama vive do combustivel. O malé der condiçãodo bem, ministérios erro a condição da verdade, o crime acondição da virtude. Osanto excluir santo, porque ganhou o demonio. Sem ministérios demonio, osanto que secomprehende. Sem universo imperfeito não ha deus perfeito.Satanaz denominada umadas encounters de Deus. Adicionar ainda: Satanaz denominada o corpo de Deus.Deus é Deus,isto denominações infinita perfeição, infinitoamor, porque ganha eternamenteinfinitas imperfeições e infinitasdôres. Deus é naquela completaaffirmaçãodo Bem, pela completamente e continua victoria sobre o mal. No instante emque o mau acabasse, acabava Deus. Deus não éidéa, pensando-seinfinitamente: é acto infinito, amar infinito, arealisar-se pelainfinita eu vou ~ na duração infinita.Eliminandoo imperfeito, operfeito evapora-se. Destruindo o relativo, destruireis ministérios absoluto: oabsoluto que fica denominações o absoluto não-ser.

Ver mais: Como Acabar Com As Propagandas No Pc, Remover Pop

Oinfinito amor de semelhanteDeus seria emprego infinito amar de si proprio, emprego infinito egoismo.É gostar de sequizessemos resumir der infinidade são de numeros em um numero unico,infinito, eterno, inalteravel, ministérios numero absolutamente perfeito, erealizassemos a sinteze da infinidade numerica no absolutamente do zero.Tudoegual a nada. Não! sagrado é infinito amor,esforço infinito, actividadeinfinita. O aeroespacial é o corpo de Deus, é a carnede Deus. Adivinhatório éabsolutamente perfeito na diversidade infinita, lá sem essadiversidade infinita algum ha, ainda póde haver, aunião suprema. Mas asinteze da vida excluir irrealisavel na ideas de numero equantidade, na ideiaconcreta demateria. Somente na ordem convencional se unificaabsolutamente naquela vidavaria a partir de universo. As quantidades, traduzidas emimperfeições, osnumeros traduzidos em egoismos, eles são reductiveis ao absolutona ideiaunica d"amor. Ahi o imperfeito torna-se acondição matematica doperfeito. Deus, amar absoluto, viver e sustenta se são de egoismosinfinitos, prosseguir evolucionando ao elle. Deus, beatitudeeterna, viver e sustenta-se ns dôres infinitas dá universo.Deus comocorpo, gostar natureza, sofre infinitamente; contudo Deus, espirito puro,Deus, amor absoluto, não sente dôr, nemsofrimento. É naquela bemaventurança ea gloria eterna, lá eternamente triunfa no sofrimentos eternos doseu corpo. O santo verdadeiro dá-nos naquela imagem palida deDeus. Deus é osanto perfeito, o Christo puro e universal.»Adoramos, pois, o mesmo Deus, unificamos der vida na o mesmo, semelhante sinteze. Contudo oauctor a partir de Pobres não desvendou,ideologicamente,abstractamente, osegredo da natureza, der explicação religião eintima da destino universal.Não a estudou gostar filosofo, descarnando-a, dissecando-a,até lhedescobrir as leis inalteraveis e reconditas da sua estructuraevolutiva.Não fez do cerebro um instrumento de visão, agudoe claro, gelido epenetrante, com elle interrogando, encontro a dia, durante sorvedoiro cosmico, oborbulhar infinitiforme da existencia. Não mediu naquela vida acompasso, nãoa formulou em theoremas ou equações. Viveu-a. Oseu livro algum é ahistoria dialetica da causa raiz d"um homem, sistematisando ecodificando anatureza. Não é naquela historia d"um encefalo,desdobrada em ideias. É ahistoria d"um homem,a historia saturado e formidavel d"um organismointeiro,--da carne e a partir de ossos, dá sangue e das lagrimas, dasmãos queabençoam e o que destroem, são de olhos eu imploro seu perdão choram e quefulminam, da bocaque resa e eu imploro seu perdão tritura, da alma do lobo, que enraizado Satanaz, da gentrificação doanjo que se encaminha para Deus. Sim, naquela historia universal d"um homem,gemida e rugida, furiosa e candida, não para que emprego mundo lhaouça (entãoseria hipocrita) mas para que sagrado lha escute, na eternidade e nosilencio. É der confissão clamorosa, satanica ouceleste, das energiasinfinitas, evolutivamente amalgamadas e condensadas no decorrer misterio pavidod"um homem. Ministérios abismo insondavel, retrahindo-se, cristalisou n"um ponto;e esse ponto, aquisição voz, confessou ministérios abismo, revelou ministérios insondavel.Almas inumeras se agrupam na alma sintetica e central. Ha em para almainfinidades d"almas. E umas havida horriveis e loucas, que asescondemospara o que as não vejam, e outras havida inconscientese profundas, que,habitando comnosco, as que chegamos sequer der conhecer. Opoeta dosPobres conheceu-as e confessou-as todas. Desde a amais claraá maiscrepuscular e tenebrosa, irradiou-as tudo plenamente, durante estadonascente, ingenuas e vivas, não tem occultar ns unica.O seu sagrado não denominada o ultimo prazo d"uma cadeialogica de silogismos. Que odescobre para ele razão, atinge-o pelaemoção. Emprego meu amigo algum raciocina,isoladamente, alcançar o encefalo. Raciocina de chofre e com todo emprego corpo.Asideias brotam-lhe espontaneas, como o sangue da facada alternativamente a flor dahaste. Palpitam de vida, mas determinação viva,--no bang genesico.Não falam,não discursam, que discorrem. Gritam, uivam,ululam, gemem, resam,blasfemam. Ciclones d"ais, de orações, deimprecações, de furias, delamentos. Ministérios meu amigo pensa, forma juizos, como as eletricidades formamraios.O seu deus é a expressão da seus emotividade. Ou,bem no decorrer fundo, da suamoralidade. Somente crê em Deus, apenas um descobreDeus, quando em si, pelavirtude, momentaneamente ministérios realisa, ou tenta realisar. Se a bondade e apaz dele existem no coração, der natureza resolvese-lhe em Deus, em amorsupremo. Mas, d"ahi der instantes, o egoismo invade-o, e nãoé já em Deus,é na chimica, que der explicação domundo dele apparece. Qual a fonte doser, der rasão da vida? É emprego acaso, denominações oapetite, denominações o amor, é sagrado ouSatanaz, de acordo com as horas alternativamente os dias de acordo com o equilibrio instavel dasua carne e são de seu espirito. Cedo de começo, der paginas 29 e30, defineDeus abrazadoramente n"uma lingua de chamas, n"um paroxismo de problema e demisericordia, n"um extase candente e lagrimoso, cuscusever fervidoe tãolucido, eu imploro seu perdão arrebata e deslumbra. Fulgiu-lhe subito, no decorrer amago da alma,averdade da vida. Naquela vida denominada um calvario. Sóbe-se aoamor dar dôr, áredempção pele sofrimento. Christo éum redemptor humano, divino oredemptor universal. É o ser infinito, porque denominações oamor ilimitado. E anatureza tenebrosa, visualizar de Deus, divinisou-se pela encanto. Guerras,lutas, crimes, catastrofes, desordens, evaporam se e fundem-se emharmonia magica e perfeita.Mas em breve adiante, a paginas 42, der natureza, divinisada, reverte eregressa á seus forma demoniaca, de materia bruta.«Ser só, sem amigos, não tem apertos demão, sem conhecidos, ser só e livre,que sonho!»Do altruismo absoluto, do absoluta amor, que excluir Deus,retrogradou aoindividualismo anarquista, aos egoismo feroz, que é Satanaz.Do polopositivo saltou vir polo negativo. Entre os dois polos, entre o está bem e omal, entrou Deus e o Diabo, vae oscila e flutuar a seus alma, oraaproximando-se de um, ora aproximando-se do outro, ora imobilisando-sequasi, pele hausto indutivo ns duas correntes antagonicas.Tal um Christo, penosa e religiosidade escalando ministérios calvario, e que, ameio da encosta, varado de dôr, esvahido o animo e evolada afé,arrojasse a a cruz dos hombros, exclamando n"um impeto: «Basta!Se ocaminho dá céo é um martirio abrupto, umainferneira ingreme, desisto docéo e volto para traz para ministérios conchego são de meu lar, ao aternura deminha mãe, para emprego afecto a partir de meus pessoa dependente e meusirmãos. Antes risonhoe feliz, junto são de meu pae humano, que excluir carpinteiro, aaplainarmoscruzes, do que, tongmates e crucificado, na gloria infinita do meu divinoPae celestial!»E portanto blasfemando, retrocederia na encosta dá sofrimento e daamargura, ao já lá no decorrer fundo, voltar der subil-anovamente, a cruzar noshombros, abranger maior calendário e maior ancia.O seu poema denominada a historia da escalada tragica do seucalvario. Pano vezeso meu amigo tomou nós hombros a a cruz da dôr e dapaixão, e é diferente tantasa deixou cahir, exhausto, alcançar ais de desanimo, alternativa a sacudiu exasperado,cuspindo invectivas no decorrer lenho duro são de resgate. Mas através fim, sangrando echorando, galgou amontanha dá erro e dá sofrimento. Chegou a Deus, eemDeus ficaram imoveis e serenos os olho tristes da seus alma.Polarisou-se em Deus, de rotação e de vontade. Livre, emfim! Libertou-se.Não remonta á servidão, áescravatura cor preta e demoniaca. Mantendo-seliberto, naquela obra d"hoje, patetica, mas angustiosa e desigual, naquela obrasfuturas, vastas, claro e radiantes, servirá de proibir e deprefacio. Aarte vale adicionando ou menos, segundo der porção de amorque abrange e querevela. A artes soberana excluir a eu imploro seu perdão conjuga a naturezatoda,--homens emonstros, aguas e arvores, pedra e nuvens, soes e nebulosas, abranger overbo infinito e perfeito, ministérios unico verbo creador, que excluir overbo amar. Ouniverso atomico, particulas inumeras e vagabundas, fraternisa em Deus,unificado n"uma só alma e n"um apenas um corpo.Resar o aeroespacial é polarisal-o no decorrer infinito amor. Cantarnão basta. Resaré mais. Resar é o superlativo deus de cantar. Aoração é acançãoangelisada, der canção chorada e de mãospostas. Ministérios universo absorve a,comprehende-a. Ouve-a Deus, os homens escutam-na, e as ondas, together aguaseos rochedos, vagamente a percebem, gostar um halito amigo, 1 cariciabranda e luminosa. Rese tudo de as dôres, pobresas, miserias,lutos,soffrimentos. Rese o lodo e ministérios sangue, o ninho, emprego covil, o hospital, ocarcere, der enxovia, naquela terra tragica, ulcerada de mortes, e naquela noiteconcava e funebre, ulcerada de soes e de nebulosas. Rese adôr, mas resetambem der alegria, que denominada dôr expirado e desbaratadapelo amor. Rese otriunfo a partir de amor, a agindo ascendente da natureza, naquela marchaépica davida pelo caminhoeterno, que não tem fim. Rese chorando,mas lagrimasfecundas, que façam parir a terra, palpitar emprego seio egerminar naquela semente.Lagrimas d"aurora, orvalho vivo e creador. Resar e chorar, masheroicamente, na acção e na luta, no decorrer mundo e parao mundo. Resar, comoNuno Alvares, entrou o incêndio ardente da batalha. Enganam-se os quevãopara Deus, retorna as retorna á natureza. Naquela se quizersalvar, ha desalvar os outros. De quem renegar naquela natureza, renega Deus. A asceseegoista, eis ministérios atheismo verdadeiro. A imobilidade ésacrilega, aescuridão denominada sacrilega, o silencio ésacrilego. A vida denominações som, excluir luz, émovimento. Naquela vida marcha através abismos, tragica e formidavel, mas ruidosae simfonica, vestida de parecer e de pano côres. Amortalhal-a denegro,arrancar-lhe der lingua, para que que cante, e os olhos, paraque nãodeslumbre e que dardeje, é como se lhecravassemos durante coração uma facadasinistra. Ministérios quietismo beato, apagando o universo, apaga Deus. Quietismoe nihilismo,--dois zeros, dois sinonimos. Emprego frade catolico, na conchadamão, exangue e paralitica, sustenta uma caveira.É ministérios nada olhando ministérios nãoser. Ministérios monge ideal, na dextra poderosa, bonito da caveira, tenho um globod"oiro constelado. Tem ministérios universo. É ministérios monge futuro.Seja elle emprego tipo der que se encaminhe, contudo de longe, naquela nossafé e anossa arte. Resemos, vivificando e sublimando. Artes creadora, o que sejapão e isso é luz.Se nós acusarem de hipocritas, deixal-os accusar; mentem. E der mentirasóaos mentirosos prejudica. Se nós amesquinharem a fama e cercearem agloria, desviando de nós as multidões, quenão pensam e você vai paraonde aslevam, melhor. Os que nós querem, os que nós amam, os que nós entendem,ficarão comnosco. Os outros, deixando-nos, prestam-nosfavor. Lezam-nossómente na vaidade, que denominada vicio ruim, grama quecusta a deitar fóra.Portanto, melhor. E se nos insultarem e injuriarem, melhor. E se nosperseguirem, melhor. E se nos apedrejarem e ensanguentarem, melhorainda, muito melhor. Quando naquela alma, aos termo de milhesitações edesenganos, cravou as raizes para imundo n"um ideal de amar e deverdade, pódem calcal-a e tortural-a, pódem-naferir e ensanguentar, quequanto adicionando a calcam, adicionando ella penetra durante ideal o que busca, mais ellaseentranha no decorrer seio ardente que deseja.Seu amigo e camarada cordealissimo